Laboratório de Bioquímica e Sinalização Celular

  •     O Laboratório de Bioquímica Renal foi criado em 2000 tendo como objetivo central a compreensão dos mecanismos de sinalização celular envolvidos com a regulação do transporte de solutos através do epitélio renal.

    Os rins desempenham um papel fundamental na homeostase de macromoléculas como albumina, e íons como o sódio. Cerca de 150 a 180 litros de plasma são filtrados, diariamente, pelos qloméruios, formando o ultrafiltrado glomerular, sendo que somente uma pequena quantidade deste é eliminada na urina. A reabsorção de solutos pode ocorrer tanto pela via paracelular, quanto pela via transcelular.

    Uma grande massa de albumina e sódio é reabsorvida ao longo dos diferentes segmentos do néfron. A regulação da reabsorção destes solutos através do epitélio renal é fundamental para a determinação da suas concentrações plasmaticas. Além do envolvimento destes solutos na manutenção do meio interno eles estão envolvidos na gênese de diferentes patologias, como a hipertensão arterial primária, insuficiência renal crônica e síndrome de Dent's.

    O sódio é o íon mais abundante do meio extracelular e o balanço entre a sua ingesta e sua eliminação é determinante para a regulação do volume extracelular e, consequentemente, da pressão arterial. Os mecanismos de reabsorção transcelular de Na+ ao longo do néfron dependem de seu gradiente eletroquímico, favorável à entrada pela membrana luminal. Esse gradiente é gerado pela (Na++K+) ATPase localizada na membrana basolateral. Além da (Na++K+) ATPase, foi verificada a presença de uma segunda bomba de sódio, a Na+-ATPase, insensível à ouabaína e sensível ao furosemide que também está envolvida com a reabsorção de Na+. Esta enzima representa cerca de 10-20% do transporte de Na+, mediado pela (Na++K+) ATPase o que sugere que esteja envolvida no ajuste fino da excreção renal de sódio. Os mecanismos pelos quais diferentes compostos regulam a excreção renal de sódio e, consequentemente, o volume extracelular e a pressão arterial envolvem a modulação da Na+-ATPase e da (Na++K+)ATPase.

    A albumina é a proteína plasmática mais abundante representando cerca de 60% de todas as proteínas plasmáticas, sendo sua concentração em torno de 45g/1. Uma importante função fisiológica para a albumina plasmática é a manutenção da diferença de pressão oncótica entre o plasma e o espaço intersticial, participando desta forma da regulação da troca de fluido através da parede capilar. Baseado na filtração glomerular diária (150-1801) em adultos saudáveis, pode-se estimar que o total de albumina ultrafiltrada seja de 3-7g/dia o que corresponde a cerca de 4.3% do total de albumina plasmática. Apesar da significativa filtração de albumina a nível glomerular, menos de 1 % é eliminada na urina indicando uma eficiente reabsorção de albumina. Este processo de reabsorção ocorre somente no túbulo proximal não sendo observado em mais nenhum segmento do néfron. Atualmente, sabe-se que a reabsorção de albumina no túbulo proximal ocorre através de endocitose mediada por receptor e clatrina. Contudo, pouco se sabe sobre os mecanismos moleculares envolvidos na endocitose ou sobre os mecanismos de sinalização celular envolvidos na sua regulação. Dados recentes indicam que albumina possa ter um papel fundamental para a manutenção da integridade do túbulo proximal em condições fisiológicas e seja envolvida na gênese de tubulopatias.

    O objetivo central do laboratório é elucidar os mecanismos de sinalização celular envolvidos na modulação do transporte de sódio e albumina por angiotensinas, autacóides e fatores natriuréticos. São estudados em particular:

  1. o papel do metabolismo de fosfolipídeos;
  2. os mecanismos de interação dos diferentes tipos de receptores e as cascatas de sinalização celular;
  3. identificação das proteínas cinase envolvidas;
  4. participação das vias de MAPK;
  5. as interações entre os efeitos de diferentes compostos e o "cross talk" entre as suas vias de sinalização

Equipe:

Chefe de Laboratório

Celso Caruso Neves

Docentes

Ana Acacia de Sá Pinheiro

Elaine Gomes Quintana

Pós-doutorandos:

Leandro de Souza Silva

Doutorandos:

Diogo de Barros Peruchetti

Francisco José Arnault Batista

Gabriela Modenesi Sirtoli

João Luiz da Silva Filho

Marcelle de Carvalho Ribeiro

Thiago Pereira de Abreu

Mestrandos:

Katarine Ferreira da Silva

Iniciação científica:

Douglas Esteves Teixeira

Emilly Freire Novaes

Juliana Vianna Lopes

Mariana Santos da Costa Alves

Rodrigo Pacheco da Silva de Aguiar

Técnico:

Shanserley Leite do Espírito Santo

 

Programa: 
Fisiologia e Biofísica Celular
Chefe do laboratório: