Laboratório de Glicobiologia

A linha de pesquisa do Laboratório de Glicobiologia tem como objetivo:

  • O estudo da glicobiologia estrutural e funcional de microrganismos, visando a caracterização de glicoconjugados complexos;
  • A determinação e a caracterização molecular de glicosiltransferases e glicosidases envolvidas na biossíntese desses glicoconjugados
  • O estudo de interação receptor-ligante;
  • O estudo sobre a ativação e interconversão de monossacarídeos;
  • O uso racional de Inibidores naturais e sintéticos em reações de glicosilação e de biossíntese de lipfdios.

Sabe-se que essas glicomoléculas complexas atuam como fatores de adesão, invasão, virulência ou proteção contra mecanismos de defesa do hospedeiro. Portanto, a inibição da biossíntese ou da expressão desses glicoconjugados pode representar excelente alvo para o desenvolvimento de novos quimioterápicos. Nesta direção, nosso laboratório tem estudado os efeitos tóxicos e os mecanismos de ação de compostos que interferem na biossíntese/expressão de ghcoconjugados do T. cruzi e Leishmania spp. com potencial quimioterapêutico, tais como os análogos de éterlipídeos (1-0- hexadecilfosfocolina ou Miltefosine); alcalóides naturais e sintéticos; e compostos fungicidas que inibem a biossíntese de esfingolipídeos.

A metodologia baseia-se em:

  • Reações bioquímicas; técnicas físico-químicas de purificação, caracterização e equenciamento;
  • Determinação de atividades nzimáticas e ensaios de inibição.

Nesse contexto, os projetos de pesquisa que nosso grupo vem desenvolvendo têm caracterizado:

  1. Glicoproteínas e glicolipídios da superfície celular de protozoários parasitas da família Trypanosomatidae, determinando sua estrutura molecular visando à descoberta de novos alvos para ação de quimioterápicos, Identificando as vias biossintéticas das licomoléculas específicas do Trypanosoma cruzi e de espécies de Leishmania
  2. Nos fungos patogênicos, ryptococcus neoformans e Sporothrix chenckii, glicoesfingolipídeos complexos, comparando-os com os purificados de mutantes deficientes de polissacarídeos capsulares e de diferentes tipos conjugantes (C. neoformans) e modulando sua biossíntese
  3. Exopolissacarídeos capsulares, polissacarídeos capsulares e lipopolissacarídeos de bactérias fixadoras de nitrogênio com características endofíticas e analizando a função dessas moléculas como sinalizadoras na interação das bactérias diazotróficas com a planta hospedeira.

 

Equipe:

Chefe de Laboratório

Lucia Mendonça Previato

Docentes

José Osvaldo Previato

Pós-doutorandos

Leonardo Freire de Lima

Pedro Antônio C. Teixeira

Raphael do Carmo Valente

Leonardo Marques da Fonseca

Doutorandos

Ana Leticia Gutierrez

Kelli Monteiro da Costa

Mestrandos

Tatiana Cortes Garcez

Iniciação Científica

Julliana de Nazareth Sa Diniz

Caio Guilherme R.S. Wierzchon

Henrique Moraes Pinto Nunes

Isis Cristina Ferreira

Rozeane Macedo das Neves

Aperfeiçoamento científico

Leonardo Ruivo

Técnicos

 Lana C. dos Santos Valvano

 Priscila Angélica V. de Oliveira

 Vilma Frazão de Melo

Programa: 
Terapia Celular e Bioengenharia
Foto_lab: 
Chefe do laboratório: